Pesquisar este blog

18 de dez de 2009

SAF – Sistema de Avaliação e Frequência: só serve para emitir boletim? Poderia servir pra muito mais...

O Sistema de Avaliação e Frequência – SAF – foi criado em 2007, com a finalidade de emitir um boletim padrão para todas as escolas da rede pública da SEE, sendo possível também seu acesso via internet. Primeiramente foi testado em um projeto piloto junto a algumas DE’s e posteriormente implantado em todo o estado. Foi uma grande novidade, que ainda pode melhorar – e muito.

Inicialmente, a responsabilidade para alimentar o sistema foi passada para o Secretário de Escola. Algumas escolas usaram de bom senso e deixaram os Professores Coordenadores incumbidos de tal tarefa, porém a cobrança, se tivesse viria sobre o secretário, afinal o PC não faz parte da equipe da secretaria.
Diferente do Professor na Classe, o sistema não apresentou bugs, funcionando praticamente redondo desde sua implantação. Porém no ano de sua implantação, houve uma pressão extrema para que a digitação de 2 bimestres fosse feita de forma a cumprir um prazo curto. Na época, trabalhava em uma escola grande, fiquei uma semana inteira trabalhando das 07:00 às 23:00, fiquei com o braço e a mão direita inchados de tanto digitar. Ainda recebi uma visita da supervisão, que ficou abismada com meu estado, e ainda assim, continuava digitando. Além do mais, a forma de digitação poderia ser melhor trabalhada. Ao invés de ser disciplina por disciplina, poderia ser por aluno, como na ficha individual do aluno, o que seria muito mais rápido e lógico.
Lá se vão praticamente 3 anos de implantação do sistema, e resta a indagação: Ele só serve pra isso? Emitir boletins e mapão/lençol? Na verdade, ele poderia servir para muito mais...
Com a base de dados da SEE, atualmente seria totalmente possível através de um simples cruzamento de dados a emissão de históricos e de ficha individual do aluno diretamente da interface do GDAE. Afinal, lá já tem tudo: calendário letivo, Matriz Curricular, notas e faltas. Também seria possível, cruzando dados com o Professor na Classe, que cada professor fosse responsável por digitar as notas e faltas de suas turmas, ficando a cargo da secretaria a supervisão do sistema e a impressão dos documentos necessários.
A base de dados da SEE é excelente, porém tem um grande e crucial defeito: NÃO HÁ CRUZAMENTO DE DADOS. Um sistema não “conversa” com outro, cada um trabalha de forma isolada. Será que um estado que é capaz de criar um sistema de atendimento a população como o Poupatempo não poderia simplesmente adequar seu sistema para cruzar dados?
Claro que tudo não se muda do dia pra noite. Parte do que citei aqui já é matéria de estudo por parte da SEE, o que esperamos é que não fique só no estudo. Um sistema informatizado e integrado garante agilidade e qualidade no serviço prestado, e economia para o governo. Espero que os 100 milhões de reais que a SEE pretende economizar sirvam para a melhoria dos nossos sistemas de trabalho.

2 comentários:

  1. Espero que alguém da SEE tenha lido isso, mande para eles, adorei sua colocação. Precisamos informatizar direito a nossa secretaria.

    ResponderExcluir
  2. Willy, você deveria estar por aqui quando foi implantado o cadastro de matrículas (JCAA), em 1996. Cara, já foi bem pior. Mas por melhor que seja o sistema de gerenciamento de informações, sem capacitação de pessoal a coisa não avança. E bom seria se tivéssemos como também gerenciar essas informações, principalmente do SAF, para gráficos e estatíticas.

    ResponderExcluir